VIVER COM GRATIDÃO – o que estamos plantando no nosso jardim interior?

Atire a primeira pedra a pessoa que nunca reclamou de boca cheia ou se comportou como um saco sem fundo. Na correria do dia a dia, as coisas belas da vida passam despercebidas e, nós seres mortais ficamos a reclamar por uma série de coisas não alcançadas.

Algumas vezes a vida irá exigir que você se confronte com coisas das quais não gosta, que acredite em outras das quais você opta por desacreditar, que aceite coisas inaceitáveis e que sinta o chão fugir dos seus pés.

Difícil é entender que tudo isso faça parte de um aprendizado.

Começamos a segunda-feira reclamando da segunda feira. Basta olhar para o rosto das pessoas e ver que elas vestem máscaras comportamentais para cada dia da semana, estando feliz e sorridente na sexta e de mal com o mundo na segunda. Esquecem que existe ali uma ótima oportunidade de recomeçar a semana. Caímos numa robotização e automatização.

Mas afinal, o que temos cultivado no nosso jardim interior e que espécie irá florescer no nosso jardim interno?

Preocupação? inveja? egoísmo? depressão? ansiedade? enfim…

Precisamos estar atentos as nossas atitudes e ser gratos pelas mínimas coisas já conquistas. Aprender a valorizar os acontecimentos bons e as bênçãos já alcançadas traz mais sentido à vida, nos permite superar o sofrimento e seguir em frente.

 Gratidão é um sentimento que deve ser semeado no coração. Então, o que acha de começar a trocar as reclamações por um agradecimento?

A escritora Débora Dubner decidiu postar todas as noites, em sua rede social, a hasthag #umagradecimentopordia na qual ela agradece por alguma coisa que ocorreu ao longo do seu dia e, com isso, vários outros amigos de Débora também utilizaram a hashtag, tornando assim um movimento.

Quem quiser conhecer mais a história dela e o começo desse projeto poderá acessar o site, disponível em http://umagradecimentopordia.com.br/

E, para encerrar nossa conversa de hoje, deixo registrado aqui minha gratidão.

#umagradecimentopordia: Estar viva!

Sobre Monique, a destemida

Para mim o céu é o limite. Vivo como uma adolescente que sonha em mudar o mundo. Acredito no ser humano e na força do bem sobre o mal. Curiosa por natureza e jornalista por formação, adoro conhecer pessoas por meio de suas histórias e transformá-las num belo registro fotográfico. Paixão e ousadia que me levaram aos caminhos do fotojornalismo.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *