Sobre melancias e aniversários

Sobre melancias e aniversários 1

Hoje faço aniversário. Mais de meio século! E minha prima que mora nos Estados Unidos me ligou. Nós convivemos muitos anos juntas e somos mais que irmãs. Conversamos mais que duas horas. Não sei onde arranjamos tantos assuntos!

Nós temos muitas coisas em comum e uma delas é gostar de melancia e conversar. Quando ela ainda vivia no Brasil, passamos tardes inteiras de domingo conversando e comendo melancia. Quando conversamos, nos lembramos dessas tardes tranquilas e revigorantes.

Quando ela desligou, fiquei pensando nas lindas tardes de domingo juntas, cheguei a sentir o gosto das melancias e uma saudade imensa daquelas tardes perdidas no tempo. Nossas longas conversas sobre a vida, o futuro, as decisões que tomamos. Pensei nas mudanças que passamos na vida e a rapidez em que o tempo passa.

Minha prima é sete anos mais jovem que eu. Hoje ela vive na Carolina do Sul, tem duas lindas filhas e seu marido é seu príncipe encantado. O amor deles é muito bonito. Ela encontrou a paz e o equilíbrio que buscava.

Falamos no quanto afortunadas somos pela nossa amizade e carinho de tantos anos. E num mundo em que a maioria das relações são superfiais,  pessoas que têm amigos com quem podem contar em qualquer circunstância é uma dádiva divina. Fiquei pensando nos amigos de longa data que tenho e o quanto minha vida é mais feliz por isso.

Cheguei a conclusão de que é disso que a vida é feitas, momentos inesquecíveis, conversas longas e melancias doces. Risos soltos, cumplicidades, brincadeiras leves, partilhas de alegrias, esperanças e dores.

Minha prima e eu falamos de minha mãe, falecida recentemente. Ela passou a vida toda guardando rancor. Não perdoando, sofrendo brigando à toa. Culpando o mundo por seus sofrimentos. E assim, esqueceu-se de viver. Esqueceu-se que a vida passa como um conto ligeiro. E o que fica é somente o que vivemos.

E assim a vida segue leve e plena, pesada e árdua, somos que decidimos. Eu prefiro leveza e plenitude. Prefiro as lindas tardes de domingo cheias de conversas e melancias doces. Prefiro as risadas soltas e os abraços apertados. Prefiro simplesmente viver, seguir enfrente e enfrentar o mundo com calma, delicadeza e um sorriso no rosto, sem esquecer-me do sabor das melancias doces.

Acir, a viajante

Sobre Acir, a viajante

Faço do mundo a minha morada, conhecendo lugares nunca vistos. Conheço a mim mesma me vendo em outros rostos, em outras culturas. O meu encontro e encanto com outros mundos é o encontro e encanto com uma parte adormecida e inexplorada em mim, que anseia pelo desconhecido.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *