Quer ir em frente? Canse!

Devo confessar, até porque cansei de esconder, que estou com preguiça. Tal sensação não é no corpo, não é a inércia dele que quer me deixar parada. Ela vem de tão profundo, das sinapses na minha mente, das substâncias produzidas em meu cérebro a cada pensamento e que são jogadas em minha corrente sanguínea, que me dizem: para. Chega. Cansei.

É a primeira vez que consegui ouvir a este apelo de forma tão obediente, eu diria. Não tenho mais para onde correr, porque o cansaço vem mesmo de dentro, há tempos e se solidificou. E assim eu vivo a cada dia, a cada momento, a cada vez que vou abrir minha boca, escolhendo, como quem tem um vício, a só dessa vez não contaminar nem a mim, nem ao outro.Quer ir em frente? Canse! 2

Vim te pedir ajuda nesta minha decisão. Não me leve a mal, eu te quero bem, mas não consigo mais suportar, do mundo e de mim, uma reclamação à toa para puxar papo, a história contada com foco no que foi ruim, a parte do dia em que algo deu errado, mas que não faz diferença no todo. Não digo de um problema que você precise dividir e que eu possa ajudar, de fato. Digo desta lamentação cultural.

Estou te propondo um esforço. Se não é necessário, imprescindível, importantíssimo que seja dito, por favor, não reclame. Eu não reclamarei para você. Essa não é uma condição. Na verdade, farei isso a priori e a cada vez que conseguir. Então, caso você não consiga seguir o plano, não se chateie por eu não te dar atenção. Eu apenas não consigo. Não dá. É mais forte do que eu neste momento. Meu cansaço é grande.

Tenho descoberto que isso me renova. Não é, no mínimo, um paradoxo que o cansaço te faça se sentir renovado? Que o que é conhecido por te fazer parar, na verdade te faça querer viver, experimentar e sentir? Como isso é possível? É que, quando se cansa, quando se esgota de verdade, vem a vontade de mudar. De buscar algo maior. E não pegar o ruim te faz ter mãos para cumprimentar o bom. É um peso que sai.

Mas como viver assim, sem uma reclamaçãozinha? Sem dividir os problemas? É preciso, sim, falar sobre os sentimentos, mas com alguém que possa e tenha recursos para ajudar. Quanto aos demais, eu vou, só dessa vez, escolher não falar do que é ruim, chato, mau, desagradável ou negativo. Pelo menos, no máximo que eu puder. Pois essas coisas não me fazem bem, não me ajudam e não ajudam a ninguém.

Não tenho um argumento para cada lamento e nem quero ter. Não vamos discutir. Estou realmente cansada, tentando buscar coisas novas. Para mim está sendo a única saída e tem sido boa. Desejo de coração que para você também.

Andressa, a detalhista

Sobre Andressa, a detalhista

A profissão de fotógrafa já denuncia minha atenção e gosto pelo detalhe. Apesar de amar as imagens, também adoro escrever e principalmente, pensar sobre o cotidiano. Formada em jornalismo, trabalhei nesta área antes de morar na Irlanda, onde passei quase dois anos. Conhecer e explorar o novo é sempre bem-vindo. Assim também é um bom brigadeiro de panela.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *