Primaveras da vida

Era uma jovem alegre e sonhadora a caminhar por largas ruas de um caminho que parecia não ter fim. Numa delas, havia tantas flores no trajeto que a vista não mais sabia onde começara e terminara todo aquele florido. Era uma flor mais bonita que a outra! Não à toa, aquele lugar era batizado de “O Recanto Floral”.

A casa número 25, era só luz: Girassóis no jardim frontal para lá e para cá reluziam os raios da maior estrela do universo. Como era bonito ver aquilo! Já as casas 15 e 16 revelavam as delicadas flores das laranjeiras e limoeiros. Dois pés em cada casa. Quando floresciam, logo caiam no chão deixando um lindo e aromático tapete no caminho. Que saudade daquele cheiro! Só sentido para saber. Mas uma das casas mais lindas era mesmo a das primaveras e ipês. Última residência da rua, número 31. Lá, nem construção parecia existir. O espaço era tomado por um colorido tão mágico, que poderia passar o dia inteiro ali, contemplando aquela beleza rara que anunciara o término de um majestoso percurso. 

A juventude passou e as casas do Recanto foram tomadas por reformas que não mais cabiam árvores nem jardins. Porém, a cada nova primavera, cores e aromas invadem a alma como se quisessem dizer: – Vai, menina! Continua alegre teu caminho para que os sonhos desta estação sejam frutificados nas próximas que ainda estão por vir.

Daniella, a intensa

Sobre Daniella, a intensa

Para viver preciso acreditar nos sentimentos mais profundos que a alma humana pode oferecer. O infinito para mim é bastante atraente e o "meio termo" praticamente não existe. Tenho uma alma intensa, carismática, dramática. E é com toda essa intensidade que procuro dar o meu melhor como mãe, esposa, filha, irmã, amiga, jornalista, poetisa!

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *