Podolatria: de onde vem o fetiche por pés?

Podolatria: de onde vem o fetiche por pés? 1Para uma parcela da sociedade a ideia de acariciar, massagear, cheirar, lamber ou chupar um pé pode causar aversão, repulsa ou simplesmente nojo. Mas quem diria que esta parte do corpo, tão negligenciada por muitos, é a segunda mais desejada, perdendo apenas para os órgãos sexuais? A podolatria, ou fetiche por pés é mais comum do que se imagina e atinge majoritariamente homens, mas não somente. Por que será? Freud explica! Sim, ele mesmo, Sigmund Freud afirmava que as pessoas sexualizam os pés porque eles se assemelham a um pênis. Oi?

Um estudo mais recente do neurocientista Vilanayar Ramachandran, da Universidade da Califórnia propõe uma teoria interessante.

Ramachandran disse que resolveu o mistério de fetiches por pés enquanto estudava o mau funcionamento do cérebro que leva à síndrome do membro fantasma – condição que leva amputados a sentir que seus membros em falta ainda estão presos em seus corpos.
No caso de alguns pacientes com pé fantasma, Ramachandran constatou que o cérebro do amputado não só não conseguia apagar a imagem do pé do mapa de imagem corporal. Os pacientes com pé fantasma relataram sentir prazer sexual, e até mesmo orgasmos, de seus pés perdidos.
Muito antes da descoberta, Ramachandran tinha notado que áreas do cérebro associadas com a genitália e os pés são adjacentes uns aos outros no mapa da imagem corporal do cérebro. “Talvez até mesmo muitos de nós, chamados de ‘pessoas normais’, tenham um pouco dessas ligações cerebrais, o que explicaria por que gostamos de ter nossos pés sugados”, afirmava Ramachandran.

Mariana, a sensível

Sobre Mariana, a sensível

Sou apaixonada por tudo que se move ou move algo dentro de mim. O diferente me fascina e o improvável me desafia a querer me superar em todos os sentidos. De modo geral, acredito nos ensinamentos do mestre Mahatma Gandhi: de modo suave, você pode sacudir o mundo.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *