O homem pela metade

Era uma vez um homem pela metade. Tudo que ele fazia era pela metade.

Quando retirava o lixo da casa, tirava a metade.  No trabalho fazia as coisas pela metade.

Desde pequeno, fazia as coisas pela metade.

Mas apesar de ser um homem pela metade, era um sortudo, pois casou-se com uma mulher por inteiro, sorte dele e azar dela, é claro!

Ela era muito jovem quando se casou com ele. E por ser tão jovem, não se deu conta que estava se casando com um homem pela metade.

Quando se deu conta do fato, já tinha um filho.  Então, entro um profundo estado de meditação sobre o assunto que levou mais de um ano!

Depois disso, anunciou sua decisão para si mesma: – Eu tenho um filho e não quero que ele tenha uma família pela metade! Vou continuar casada com este homem pela metade para que eu possa criar meu filho por inteiro! E assim fez.

Não foi nada fácil para ela ser tão inteira e viver com um homem pela metade.

Como ela era uma mulher por inteiro, viveu sua vida por inteiro, amou por inteiro, trabalhou por inteiro, estudou por inteiro, fez viagem por inteiro, teve momentos felizes por inteiro.

Vocês podem pensar que ela não tentou ajudar o homem pela metade a se tornar inteiro, ela tentou e muito, mas parece que o caso dele não tinha solução. Então ele continuou a ser um homem pela metade e foi um marido pela metade, um pai pela metade e viveu uma vida pela metade.

E apesar da mulher ser inteira, ter um marido pela metade a deixou com uma metade vazia no coração e ter espaços vazios no coração é muito perigoso porque esse vazio pode ser preenchido por outro amor.

Mas a mulher por inteiro não acreditava que existissem homens por inteiro, pois já havia se passado mais de trinta anos e ela jamais tinha conhecido um homem por inteiro, então ela concluiu que homens por inteiro não existiam, ou melhor, só existiam nos livros e romances que ela gostava de ler.

E quando ela já não acreditada mais em homens por inteiro, em uma de suas viagens, conheceu um homem por inteiro.

Vocês devem estar se perguntado como ela sabia que era um homem por inteiro. Eu não faço a menor idéia, mas ela soube. Soube quando seus olhos se encontraram.

E ela soube que era o homem por inteiro com quem ela sonhou a vida inteira. Ele existia, ela não podia acreditar, existia um homem por inteiro.

Mas era tarde demais, o tempo já havia passado. E o tempo, este  algoz e cruel senhor, não permite retornos. Por mais que se deseje voltar no tempo, isso não permitido.

Mas conhecer um homem por inteiro mudou seu jeito de ver o mundo e deu a ela, esperanças e uma alegria que ela não conhecia antes. E pela primeira vez em sua vida ela foi feliz por inteiro.

Acir, a viajante

Sobre Acir, a viajante

Faço do mundo a minha morada, conhecendo lugares nunca vistos. Conheço a mim mesma me vendo em outros rostos, em outras culturas. O meu encontro e encanto com outros mundos é o encontro e encanto com uma parte adormecida e inexplorada em mim, que anseia pelo desconhecido.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *