O amor acaba 7 anos depois?

Muito se fala sobre a crise dos sete anos, que acabaria com o amor, ou que pelo menos o abala. Não se sabe se por superstição, pela mente coletiva que acredita nisso, mas, presenciamos a repetição desta profecia constantemente. Ironicamente, no dia em que meu sobrinho mais velho nasceu e eu estava totalmente enlouquecida para vê-lo, uma pessoa me disse: “quando ele fizer sete anos você acha que ainda estará amando dessa maneira?”, achei estranho o comentário e também a pergunta ser justamente um sete. Mas ela ficou em minha mente.Será que o amor acaba 7 anos depois? 1

Naquele dia eu estava desesperada, vidrada e ansiosa para ir até a maternidade. Eu só pensava nele, só falava dele. Desde o dia em que me minha irmã contou que estava grávida eu o amei completamente. Não era possível que um amor desses acabasse em sete anos. “Você vai ver, ele não vai mais querer nem olhar para seu lado, ele vai estar muito chato depois desse tempo”. Achei tudo tão absurdo mas também confesso que me deu medo. Seria possível esse amor diminuir um dia?

Pode parecer coisa de música brega, mas cada sorriso dele era uma flecha pro meu coração. Cada palavra, mais linda que a outra. Cada abraço o melhor do mundo e a vontade de ser sempre melhor para ele. Foi então que, no meio desse tempo, dois anos depois, veio o outro bebê da minha irmã e outro teste de superstições. Dizem que o sentimento verdadeiro é um só. Que engano.

O amor se multiplica. Aconteceu tudo de novo, desde o início a loucura, as flechas direto no meu coração, sem filtros, em cheio. Passei a amar dois. Com o mesmo amor louco e desenfreado. Como era possível? Com certeza, confirmei a frase do poeta que diz que “o coração tem razões que a própria razão desconhece”.

Enfim, no dia em que meu amor mais velho completou sete anos me lembrei daquelas perguntas do dia do seu nascimento: “será que você vai estar com esse amor todo ainda?” E eu sorri ao lembrar. Pois tamanho é o meu amor, que ele não passou, não diminuiu, só se fortaleceu. E quando chegarem os sete anos do outro, já sei que não mudará nada.

O amor cresce com o crescimento deles, cada fase uma descoberta, cada vez que os vejo, que escuto aquelas vozes que se modificam a cada dia, a cada palavra nova, a cada roupinha que perdem porque os braços cresceram, os sapatos que não cabem nos pés, a bagunça que fazem em casa, o grito feliz de “a tia chegou!!”, o melhor de se ouvir. Titia amou desde a barriga da sua mãe e amou quando nasceu. Titia amou a cada passo seu. Titia ama aos 7, 17, 27… Meus amores puros, verdadeiros e sem fim.

Andressa, a detalhista

Sobre Andressa, a detalhista

A profissão de fotógrafa já denuncia minha atenção e gosto pelo detalhe. Apesar de amar as imagens, também adoro escrever e principalmente, pensar sobre o cotidiano. Formada em jornalismo, trabalhei nesta área antes de morar na Irlanda, onde passei quase dois anos. Conhecer e explorar o novo é sempre bem-vindo. Assim também é um bom brigadeiro de panela.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *