Mais uma história de professor

Mais uma história de professor 1

Esta semana, numa manhã chuvosa, enquanto as crianças estavam entrando na sala, eu falei: – Que vontade de ficar em casa dormindo com essa chuvinha! Uma menininha de cinco anos, disse: – Você não pode você precisa cuidar das crianças!

Fiquei pensando nos professores, como é importante nosso trabalho, lembrei-me dem fato que minha nora contou-me. Ela disse que por volta de vinte cinco anos atrás, o presidente do Peru declarou guerra aos traficantes peruanos mandando prender grandes traficantes. Em represaria os traficantes começaram a atacar escolas e hospitais, matando professores, alunos, médicos e enfermeiros. Ela contou que em uma escola de ensino fundamental, os professores deram-se os braços formando uma parede humana para proteger os alunos, eles foram metralhados.

Fiquei imaginando todos aqueles professores de braços dados enfrentando bandidos armados com metralhadoras, ali de peito aberto protegendo as crianças. Essa imagem me fez chorar.

A desvalorização dos professores acontece em vários países do mundo, principalmente em países de terceiro mundo como o Brasil e o Peru. Somos desvalorizados, desrespeitados e que ganhamos pouco. Mas no momento de cuidar e proteger as crianças, nós fazemos, não pensamos em nada disso. Os professores peruanos, quando formaram uma parede humana, não pensaram na condição dos professores, eles fizeram o que fariam quaisquer professores do mundo, pensariam primeiro nos alunos e em protegê-los.

Todos nós temos um professor que marcou nossas vidas, que nos motivou, nos incentivou. Que possamos todos nós possamos reconhecer o valor desse profissional tão sofrido e desvalorizado.

Mais uma história de professor 2

Acir Montanhaur

Sobre Acir Montanhaur

Faço do mundo a minha morada, conhecendo lugares nunca vistos. Conheço a mim mesma me vendo em outros rostos, em outras culturas. O meu encontro e encanto com outros mundos é o encontro e encanto com uma parte adormecida e inexplorada em mim, que anseia pelo desconhecido.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *