Julho, um mês cheio de significações

Julho, um mês cheio de significações 1

Não sei você, mas eu adoro essa metadezinha do ano. Tudo bem que é desesperador saber que já se passaram seis meses e, que muitos projetos ainda nem saíram da gaveta, mas essa é uma época cheia de significações, sendo uma oportunidade para recomeçar e mudar.

O mês de julho representa muita coisa para mim. Uma delas é poder festejar a divindade da vida, já que completo mais uma primavera, e outra é comemorar uma mudança que tomei aos 16 anos.

É claro que aos 16 você não tem convicção total de nada.  Há uma frase do Woody Allen, que diz : “Nossa cabeça é redonda para permitir ao pensamento mudar de direção”.

Mudar de direção é simplesmente estar sujeito as inúmeras possibilidades de erros e acertos.

Pois bem, aos 16 anos resolvi que minha alimentação seria extinta de qualquer proteína animal. Isso significa que a coxinha das festinhas de aniversário estaria excluída do meu cardápio, assim como o filé de frango à milanesa, a costelinha com molho barbecue, o pastel de carne moída e outras variedades que levavam carne em sua composição.

Não tenho pretensão alguma em convence-lo, por meio deste post, a tornar-se também vegetariano. Mas em comemoração aos meus 14 anos de vegetarianismo, no mês de julho, divido com vocês parte dessa minha mudança.

Porque comemos animais?

As pessoas são sempre curiosas ao me perguntar porque deixei de comer carne e, quando digo que a razão maior são os animais acabo virando motivo de chacota. É mais fácil fazer ativismo pelas redes sociais em defesa de Juma, do que enxergar que violência e crueldade começam no prato.

Milhares de animais são mortos todos os dias sem nenhuma dignidade. Eles passam fome,  apanham dos criadores e tem o corpo cheio de parasitas.

Para se ter uma ideia, a morte de um boi começa com o disparo de uma pistola de ar comprimido na testa do animal que, em seguida, ficará desacordado por alguns minutos. No Brasil o abate a marretadas é proibido, mas isso não quer dizer que não aconteça, pois 5% dos abates são clandestinos. Nesses casos, utilizam-se de dezenas de marretadas até desacordá-lo.

Com o boi desacordado, ele é erguido por uma argola em sua pata traseira e nesse momento tem sua garganta cortada. O animal precisa ser sangrado vivo, para que o sangue seja bombeado para fora do corpo a fim de evitar a proliferação de microorganismos.

Assim como nossos bichinhos de estimação possuí sistema nervoso central e são capazes de sentirem dor e felicidade, o boi, a galinha e o porco também são animais dotados de consciência.

Então, porque será que amamos uns e matamos outros?

Você pode até ignorar a causa animal, mas deve reconhecer que o consumo de carne tem causado graves problemas ao planeta devido a emissão de gases estufa, contaminação do solo, desperdício de alimento, além de doenças.

Gandhi dizia para sermos a mudança que queremos ver no mundo. Pode até parecer bobagem relacionar mudanças na nossa vida a maneira da qual nos alimentamos, mas mudar é só uma partezinha dum processo que iremos deixar para as gerações futuras.

 

 

 

 

 

Sobre Monique, a destemida

Para mim o céu é o limite. Vivo como uma adolescente que sonha em mudar o mundo. Acredito no ser humano e na força do bem sobre o mal. Curiosa por natureza e jornalista por formação, adoro conhecer pessoas por meio de suas histórias e transformá-las num belo registro fotográfico. Paixão e ousadia que me levaram aos caminhos do fotojornalismo.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *