A emoção da água

A emoção da água 2Para o filósofo René Descartes, que viveu na Idade Média, seu princípio de conhecimento era pôr em dúvida tudo. Assim, numa época de puro obscurantismo, a única coisa certa era a nossa existência, tendo como regra básica, nunca aceitar como verdadeira coisa alguma que não podemos evidenciar.

Hoje, séculos depois, mais e mais pessoas começam a se conhecer como força e matéria, percebendo sua energia própria e força interior que possuem, advindas dos pensamentos e crenças, sem que estes estejam ligados à alguma religião.

Nesse sentido o pesquisador japonês Masuru Emoto, especialista em medicinas naturais e estudioso das energias que cercam o ser humano, decidiu investigar o assunto desde as décadas de 80 e 90.

Para tanto, o estudioso utilizou a água, que é uma substancia maleável, como forma física que se adapta facilmente ao que o ambiente contém, assim como sua estrutura molecular. A energia ou as vibrações do ambiente mudam a forma molecular da água. Portanto, pode-se dizer que a água tem, não somente a habilidade de refletir visualmente o ambiente, mas também molecularmente o mesmo ambiente.

Emoto documentou essas mudanças com uma técnica fotográfica específica para suas pesquisas. Inicialmente, ele e sua equipe distribuíram a amostra de água a ser examinada em placas de Petri (usadas em bacteriologia) e colocaram o material num congelador durante duas horas.

Depois disso, as placas foram retiradas e os cristais resultantes foram levados ao microscópio para serem fotografados num ambiente a -5 graus Celsius. Cada foto mostrava os cristais ampliados entre 200 e 500 vezes.

A partir daí o pesquisador começou a avaliar seu objeto de estudo, recolhendo diferentes amostras de agua, como por exemplo, de um rio poluído, de uma nascente, de chuva, lagos, etc.A emoção da água 1

Como resultado, concluiu que as águas mais limpas deram cristais em grande número de forma hexagonal e regulares.

As águas sujam apresentaram dificuldade para se cristalizar e seu descongelamento mostra zonas amorfas, com cristais formados pela metade ou de aspecto tortuoso.

Porém os resultados foram ainda mais intrigantes quando as amostras foram expostas a determinadas músicas e palavras. Com o som de heavy metal não foi observada a formação de nenhum cristal. No entanto, ao serem submetidas a músicas clássicas, como as pastorais de Beethoven, as amostras de água apresentaram belíssimos cristais hexagonais.

Mais interessante ainda foi quando Emoto colocou rótulos com palavras escritas nos recipientes com água. Com as palavras OBRIGADO, AMOR, GRATIDÃO, entre outras, as fotografias revelaram magnificas formações cristalinas que mais parecem obras de arte.

A emoção da água 1

Em contrapartida, com a verbalização de frases como EU TE ODEIO, VOCÊ ME FAZ MAL e ADOLPH HITLER, as imagens mostram estruturas cristalinas definitivamente destorcidas e formadas aleatoriamente.

Devido aos impressionantes resultados, tal estudo ainda e motivo de muita desconfiança por parte dos céticos. Independente disso, vale lembrar que o corpo humano é formado por 65% de água e vale a pena refletir sobre o fato: se a vibração que envolve pensamentos, palavras e músicas pode causar alterações tão significativas nas moléculas de água, o que não pode fazer conosco?

Mariana, a sensível

Sobre Mariana, a sensível

Sou apaixonada por tudo que se move ou move algo dentro de mim. O diferente me fascina e o improvável me desafia a querer me superar em todos os sentidos. De modo geral, acredito nos ensinamentos do mestre Mahatma Gandhi: de modo suave, você pode sacudir o mundo.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *