De repente 30, 40, 50…

De repente 30, 40, 50... 1

Como estava viajando, não consegui postar meu texto sobre a mulher de 30 anos, então posto hoje.

As Faces resolveram escrever sobre os trinta anos. Então me dei conta que sou a única do grupo com mais de cinquenta anos. E voltei a pensar nos meus 30 anos. Quando fiz trinta anos e sentia que tinha o mundo aos meus pés, que podia fazer tudo o que queria na vida. Hoje que estou prestes há completar 55 anos vejo que o tempo passa muito rápido e 30, 40 e 50 passam como um sonho. E aquela mulher balzaquiana agora já tem 55 anos.

Faço aqui uma explicação sobre a mulher balzaquiana que encontrei no blog http://mulheresbalzaquianas.blogspot.com.br/

Foi em “Mulheres de 30 anos”, que pela primeira vez a mulher madura teve destaque na literatura. Balzac valorizava sua beleza, experiências, pensamentos, desejos, angústias, reivindicava o direito de ela ser feliz, e discutia as mazelas de um casamento fracassado, no qual a mulher estava destinada a carregar a cruz das suas obrigações sociais e legais, era prisioneira de seus deveres. Isso fez com que sua obra fosse motivo de escândalo, devido as convenções sociais da época, mas por outro lado, também conseguiu conquistar a comoção do público.

As mulheres costumam ficar amedrontadas quando chegam aos 30 anos. Mas agora que chego aos 55 anos, penso que eu era uma menina aos 30 anos. Creio que a partir desta idade a produção de hormônios começa a cair, a pele começa a mudar e a nossa cultura de imposição da beleza acaba abalando nossa autoestima. Por outro lado, as mulheres de 30 anos hoje podem viver sua melhor fase profissional, é mais madura para ser mãe, se sente mais segura de si. Pois o tempo vai continuar a passar e rápido e por fim não será a aparência externa que importará, mas o que se acumulou no seu interior, isso fará toda a diferença para a nossa qualidade de vida e convivência com as outras pessoas.

O tempo levará o frescor da juventude, as suas marcas aparecerão em nosso rosto denunciando nossa idade. Mas o tempo não tem poder sobre nossa alma, nosso espírito. Não importa como está nosso rosto se nossa alma se mantiver jovem, manteremos nossa alegria de viver, nossos sonhos e planos, nossos encantos.

Uma vez alguém me disse que eu fazia planos como se tivesse 20 anos. E eu quero continuar assim, fazendo planos como se tivesse 20 anos até os 100 anos. O tempo passa, mas a vida acontece todos os dias.

Acir, a viajante

Sobre Acir, a viajante

Faço do mundo a minha morada, conhecendo lugares nunca vistos. Conheço a mim mesma me vendo em outros rostos, em outras culturas. O meu encontro e encanto com outros mundos é o encontro e encanto com uma parte adormecida e inexplorada em mim, que anseia pelo desconhecido.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *