COMO PODE TUDO MUDAR?

Você alguma vez sentiu que tem algo ou alguém tentando te dizer alguma coisa através de uma mensagem que vez ou outra sempre volta a sua vida e te surpreende?

Pode ser uma música que te toca e que por “coincidência” aparece nas horas mais oportunas, uma frase, algum conselho que insiste em aparecer, muitas vezes de pessoas que você menos espera ou mesmo, um filme zapeado na TV do qual o trecho que você se depara é justamente aquele que você precisava ver.

Quando isso acontece comigo a primeira coisa que vem em minha mente é que devo estar louca. Mas, prefiro acreditar mesmo que existe sim uma mensagem para mim em tudo aquilo. Dia desses assisti uma entrevista na TV com o escritor Ignácio de Loyola Brandão que disse que a vida fica muito sem graça sem algumas ilusões. Essa afirmação para mim também faz todo sentido.

Há alguns anos, tomei coragem e decidi pela primeira vez na vida “perder o chão”: saí do meu País para trabalhar como fotógrafa em um cruzeiro de turismo. A experiência foi incrível em muitos aspectos. Um deles foi ter tido a oportunidade de assistir com uma amiga minha de cabine o filme Comer, Rezar e Amar.

COMO PODE TUDO MUDAR? 2

A mensagem do filme me tocou profundamente. Desde aquele dia ele reaparece em minha vida em momentos que preciso refletir questões muito importantes. E este momento é um deles. É que, mais uma vez pretendo “perder o chão” com um novo desafio: residir fora do País, desta vez, talvez para sempre.

E não é que “minha mensagem” apareceu novamente sob o ponto de vista da Elizabeth Gilbert, autora do best-seller Comer, Rezar e Amar? “Se você tiver coragem de deixar tudo o que é familiar e conhecido, desde a sua casa até antigos ressentimentos, para partir numa jornada em busca da verdade interna ou externa e se dispuser a encarar tudo o que lhe acontecer como uma pista e aceitar todos que cruzarem seu caminho como um mestre e se estiver preparado, acima de tudo para aceitar e perdoar realidades duras sobre si mesmo, então, a verdade não lhe será negada”.

Ana, a atrevida

Sobre Ana, a atrevida

Atrevo-me a me inspirar, atrevo-me a mergulhar profundamente em letras, espaços e pontos, símbolos conducentes, ícones de sentimentos (...) me atrevendo me formei em artes visuais, me atrevendo me dedico a profissão de editora de imagens já por quase vinte anos, me atrevendo pinto, bordo, costuro. Me atrevendo me casei. Me atrevendo viajei o mundo, me atrevendo escrevo às sextas e você me lê. Atrevida!

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *