A cultura do estupro em literatura de cordel

A cultura do estupro em literatura de cordel

Ilustração de Matheus Ribs virou símbolo da campanha contra a cultura do estupro na internet

O assunto é incômodo
Toca em muitas feridas
Não só as que dão para ver
Mas também as adquiridas
No campo psicológico
Todas muito doloridas

A cultura do estupro
Que a mulher muito aflige
É oriunda do machismo
Esse mal que tanto inflige
Os direitos femininos
Que a mulher luta e exige

Por respeito, dignidade
E mais mobilização
Políticas que despertem
Mais conscientização
E que punam com rigor
Toda e qualquer agressão

Violência sexual ,
Estupro , constrangimento
São apenas alguns crimes
Causados por truculentos
Covardes que usam a força
Sem pudor e sofrimento

Gota d’água da barbárie
É o caso da adolescente
Que por mais de 30 homens
Foi levada a um ambiente
A estupraram até sangrar
Quando estava inconsciente

O delito aconteceu
Lá no Rio de Janeiro
Em uma comunidade
Deste Estado brasileiro
Onde o estupro coletivo

Tornou-se mais um roteiro

De indignação e revolta
E comoção mundial
Uma vez que as imagens
Deste crime irracional
Foram parar na internet
Com a frieza mais banal

Pior que a postagem
Foi à propagação
De injúrias e maldades
Sobre esta aberração
Dos muitos que ainda culparam
A jovem pela agressão

Aos “valentes” de plantão
É bom que fiquem sabendo
Que no corpo de uma mulher
Acesso só com consentimento
Caso contrário isso é CRIME
Que dá encarceramento

Infelizmente esses crimes
Acontecem em todo mundo
Qualquer classe social
De um jeito muito fecundo
Em que as mulheres são vítimas
Dos atos mais vagabundos

Seja em casa ou na rua
Com um estranho ou familiar
São inúmeros os casos
De violência de amargar
A rotina de mulheres
Que ficam sem enxergar

A beleza da vida
E suas contemplações
Violadas pela maldade
De brutos “espertalhões”
Que se acham muito “machos”
Nos momentos de agressões

E muitas pelo medo
Ficam sem denunciar
Terminam revivendo
Reações de torturar
Provocados por “homens”
Que estão a propagar

Desrespeito à mulher
Ciúmes, intolerâncias
Xingamentos, promiscuidades
Força física, petulâncias
Não podemos tolerar
Tamanhas ignorâncias!

É preciso educar
Essa nova geração
Dando direcionamento
Para a reflexão
De qual seja o gênero alheio
O que vale é a ação

De aplicar simples conceitos
Com amor e compreensão
Lembrando que o ser humano
É um ser de imensidão
Mas precisa aprimorar-se
Para haver evolução

Que a cultura do estupro
Seja pra sempre banida
Pois o corpo da mulher
Não é troféu nem bebida
Fomos feitas para amar,
Ser amadas e dar a vida!

Daniella, a intensa

Sobre Daniella, a intensa

Para viver preciso acreditar nos sentimentos mais profundos que a alma humana pode oferecer. O infinito para mim é bastante atraente e o "meio termo" praticamente não existe. Tenho uma alma intensa, carismática, dramática. E é com toda essa intensidade que procuro dar o meu melhor como mãe, esposa, filha, irmã, amiga, jornalista, poetisa!

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *