30 por 1

Há algo que me fez ouvir aquele grito sufocado. Senti aquele peso sobre mim e não pude mais dormir. Inerte e assustada, roguei a Deus alívio e perdão. Talvez um dia me escutasse e me tirasse dali. Talvez um dia se compadecesse e os tirasse dali. Onde estava Deus? Animal abandonado e arremessado aos lobos, naquele instante quis sentir sua glória e seu amor. Devoravam-me. Como um pedaço de carne, disputavam cada parte de mim. Arrancaram-me as vestes, a inocência e a coragem. Roguei novamente a Deus, na esperança de não perder o que ainda tinha de humano. Onde estava Deus? Fechei meus olhos, mas tudo que via eram aqueles pares de olhos famintos. E como se aquele corpo já não fosse mais meu, já não era capaz de sentir mais nada. Eu já não era mais. Sobraram apenas carne e sangue. Dos orifícios, escorriam culpa e vergonha. Alguém olharia por mim? Alguém olharia por eles? Quem olhava por nós? Onde estava Deus, afinal?

 

Gabriela, a observadora

Sobre Gabriela, a observadora

Tenho um gosto particular pelos pequenos prazeres que a vida pode proporcionar. Um tanto quieta e observadora, sonho muito, critico muito e gosto de me desafiar. De tudo que vejo, penso e sinto: conto, crônica e o que mais der na telha.

Ver tudo

Comente este post!

O seu endereço de e-mail não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados (*)

Comentário *